quinta-feira, 29 de abril de 2010

...

Não sabia mais como era aquela sensação
Aquela louca sensação de se manter com apenas um dos pés no chão
Não lembrava mais como era aquele frio na barriga
E aquela brisa que balançava não só os cabelos, mas o corpo inteiro!

Era estranho olhar pra baixo 
Mas era indescritível a visão
Os olhos se perdiam 
Não encontravam o chão 

Sentia que ali estava viva 
Diferente da sensação morna do cotidiano
Sentia que ali o coração pulsava
Que o sangue corria 
Sentia ali todas as emoções que queria...

Agora dos olhos caia uma lagrima
E ela se perdia naquela imensidão
Assim como ela se perderia 

Então deu um passo e já não se sentia em apenas um dos pés
Agora o corpo estava solto e caindo 
Caindo com precisão
Caindo sem precipitação
E enquanto caindo perdendo o coração...

 


















Tah Alessandra

Um comentário:

  1. em quantos precipicios as pessoas se arremessam ao longo dos tempos.

    ResponderExcluir